Projeto contrasta evolução tecnológica e simplicidade no campo

O projeto concorrerá ao Programa Agrinho 2018.

Foto: Divulgação

O projeto “Tudo se Transforma, mas a Origens Permanecem”, coordenado pela professora Édela Cristina Brambilla na Escola Municipal de Campo Professora Ana Pinheiro. A iniciativa mostra o contraste entre a evolução tecnológica que chega aos poucos ao agronegócio local e a manutenção do modo de vida simples que resiste à modernização. O projeto concorrerá ao Programa Agrinho 2018.

As atividades contaram com a participação da engenheira agrônoma Denise Lutgens Rizzo, que falou sobre a cana-de-açúcar e seus derivados, em especial o melado, rapadura e o açúcar mascavo. O objetivo foi fazer uma ligação entre passado e o presente, mostrando a evolução dos engenhos, que antes eram movidos pela mão de obra escrava e animais até a utilização das novas tecnologias usadas hoje.

De acordo com a professora, o foco do projeto foi mostrar que com toda modernização ainda existe em nosso município pessoas que mantem um modo de vida simples e natural fazendo uso dos derivados da cana de açúcar produzidos por eles.